Site em Manutenção
Conteúdo voltado para banco de dados Oracle e SQL Server

linux Archive

Tarefa comum e corriqueira de um DBA é criar novos hosts para testes, ambientes de produção, desenvolvimento e homologação. Há poucos dias atrás precisei criar um servidor para instalação do Oracle Cloud Control 13c e fui surpreendido com a facilidade em alterar o nome de um servidor.

Nas versões anteriores era preciso alterar o arquivo /etc/hosts e reiniciar o S.O., porém na versão 7 basta digitar os comandos abaixo:

1 º – Checar o nome do servidor:

[root@localhost ~]# hostnamectl status
Static hostname: localhost.localdomain
Icon name: computer-vm
Chassis: vm
Machine ID: 5e2ea38c44ec49a497be3d6919cd9e96
Boot ID: 1996d9bfa13b48978e6cf411711a5e21
Virtualization: xen
Operating System: Oracle Linux Server 7.4
CPE OS Name: cpe:/o:oracle:linux:7:4:server
Kernel: Linux 4.1.12-94.3.9.el7uek.x86_64
Architecture: x86-64

2 º – Alterar o nome do servidor:

[root@localhost ~]# hostnamectl set-hostname SERVER002

3º – Checar o nome do servidor

[root@localhost ~]# hostnamectl status
Static hostname: SERVER002.localdomain
Icon name: computer-vm
Chassis: vm
Virtualization: xen
Operating System: Oracle Linux Server 7.4
CPE OS Name: cpe:/o:oracle:linux:7:4:server
Kernel: Linux 4.1.12-94.3.9.el7uek.x86_64
Architecture: x86-64

Foi só executar o passo 2 que o servidor já teve seu nome alterado, nem foi preciso reiniciar o S.O. para atingir tal objetivo.

Na configuração padrão, a placa de rede do S.O. CentOS ou Oracle Linux não é habilitada automaticamente após o boot do servidor, sendo necessário usar o comando IFUP para subir a interface de rede toda vez que houver desligamento ou reboot do servidor.

Uma maneira simples de automatizar esse processo é editando o arquivo de configuração da placa de rede e habilitar a opção ONBOOT com o valor YES ao invés de NO:

Rede_oracleLInux

Editando o arquivo com o VIM, localiza a opção ONBOOT, basta trocar o valor no por yes e salvar as configurações e sair da edição do arquivo:

Rede_oracleLInux

Após realizar essa configuração, a placa de rede subirá automaticamente a cada boot.

 

 

Quando trabalhamos com algum sistema operacional, seja ele windows, mac ou linux é importante saber o quanto de recurso está disponível para realizar suas tarefas, seja CPU, Memória, Disco, Rede, versão do S.O. dentre outros.  Abaixo alguns comandos úteis para redhat e centos:

Verificar a versão do S.O.: cat /etc/redhat-release !

6 - Versao do s.o.

Listar CPU:  cat /proc/cpuinfo

1 - Processador

Memória: free -m ou free -h ! O free -h mostra os valores em GB, facilitando a visualização dos números:

2 - Memória

Disco: df -h

3 - Disco

Memória virtual: cat /proc/swaps

4 - Swap

Para verificar os ativos de rede, utilize os comandos: mii-tool e dmesg | grep eth

5 - Rede

Com essas informações você já será capaz de ter noção dos recursos disponíveis pelo seu sistema, lembrando que o comando htop também fornece algumas dessas informações e seu uso em tempo real.

 

O comando HTOP é utilizado para listar todos os processos que estão rodando no servidor linux. Em muitos casos é preciso instalá-lo à parte, pois o mesmo não é contemplado em grande parte das versões linux disponíveis.  Além de ser leve e bem intuitivo, o htop fornece informações em tempo real sobre o uso de processador, memória e swap do seu servidor Linux, conforme imagem abaixo:

1

 

No exemplo acima temos um servidor com 8 cores de processador e 64GB de RAM, sendo o uso desses recursos representados pelas cores: VERDE, VERMELHO, AZUL E AMARELO/LARANJA:

Em CPU temos:

  • VERDE: Threads rodando com prioridade normal
  • AZUL: Threads rodando com baixa prioridade
  • VERMELHO: Threads rodando em favor do Kernel

Em MEMÓRIA:

  • VERDE: Memória em uso pelas aplicações
  • AZUL: Buffers em utilização
  • AMARELO/LARANJA: Cache

E para SWAP, temos somente a cor vermelha, que representa a quantidade de memória SWAP utilizada.

Para obter essa documentação, basta entrar no HTOP do linux, e apertar a tecla F1, conforme procedimento abaixo:

1 – Digite htop no shell do linux:

2

 

 

Exemplo da interface do HTOP:

3

 

 

 

 

 

2 – Aperte a tecla F1 e verique a documentação referente ás cores utilizadas pelo HTOP

4

 

 

 

 

 

Basicamente são essas as informações referente ao uso dos recursos, nas próximas postagens estarei falando sobre as demais opções disponíveis no HTOP para alteração de prioridade em processos, filtros, ordenações, etc!

Até a próxima.